A eternidade de um momento

Eu não gosto muito de falar sobre certos temas, do sensacionalismo que a mídia faz com tragédias e acontecimentos fatais. O acidente com o vôo da Air France foi mais um triste marco na história da aviação internacional. Fico tentando imaginar a dor de tantos familiares e amigos que perderam uma pessoa querida, depois de um silêncio que parecia interminável. A nossa breve existência nesse plano, às vezes, se acaba num piscar de olhos, e em outras pode demorar mais do que alguns segundos.

O que eu prezo são as reflexões, profundas e sensíveis, que surgem em momentos como esse.

Acabo de ler um artigo do Ruy Castro publicado no blog do Noblat, que me foi enviado por uma amiga, e que compartilho aqui:

Quatorze Minutos de Eternidade – Entre a hora presumida de entrada do Airbus A330 da Air France na zona de turbulência sobre o Atlântico e a última mensagem enviada pelo equipamento do avião, na noite de domingo, passaram-se 14 minutos. Se fosse só isso, já seria aterrorizante. Mas o tempo de apreensão, angústia e pavor a bordo pode ter sido ainda maior para os 228 passageiros e tripulantes.

É tempo de sobra para que, diante da iminência de morte, a vida -tudo que se fez e se disse, ou o que deixou de ser feito ou ser dito- passe várias vezes pela cabeça de uma pessoa, com uma definição de cinema. E com uma crueldade de Juízo Final, porque não há mais tempo para dizer ou fazer o que faltou.

Entre os que conseguem se manter íntegros em tal situação, há quem tente vencer o abismo rabiscando algo às pressas, descrevendo o avião em queda ou a aproximação das chamas, despedindo-se de parentes ou namorados, ou tentando deixar uma reflexão mais profunda. É uma tentativa desesperada de comunicar-se pela última vez, de fazer com que sua voz seja ouvida depois do nada.

Sabemos disso porque fragmentos dessas mensagens costumam ser encontradas em destroços de aviões caídos em terra. É por esses retalhos calcinados que nos damos conta de que o drama pessoal de cada vítima de um acidente aéreo é maior do que a fria estatística da soma dos mortos no mesmo acidente.

Na tragédia do voo AF 447, comovemo-nos com o casal rumo à lua-de-mel em Paris e com o alemão que iria tratar dos papéis para se casar com uma brasileira. Mas havia também empresários, professores e executivos, que viajavam a negócios, a estudos ou para receber prêmios -enfim, para um luminoso futuro próximo. E outros cujas histórias pessoais, talvez riquíssimas, nunca chegaremos a conhecer.”

———————————————-

E o tempo segue enquanto enquanto construimos a nossa história.
A vida não é mais do que um instante, interrompido subtamente na linha temporal.

Anúncios

1 Comentário

  1. Um amigo perdeu os pais no acidente. Eram pessoas de idade, bem aposentadas, curtindo a vida viajando mundo afora. Tinham filhos e netos, uma grande e unida família, que assim permanece em memória dos pais, avós, amigos que eram.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s